sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Brasão da minha família! LIRA - LYRA

Sobrenome que parece vir da região da Galiza. Ao que parece os Lira / Lyra descendem dos antigos senhores abastados, que no século XIV migram para Portugal e depois para o Brasil, sua descendência lhe continuou o sobrenome e em outros ramos o sobrenome desaparece. A atual versão do Brasão foi feita dia 21 de setembro de 2017, de forma livre e com o apoio de mais de 1.500 pessoas que descendem o sobrenome Lira / Lyra, reunidas em comunidade oficial do facebook tornando-se então nosso brasão atualizado e oficial. O leão, símbolo da bravura, da liderança e uma honra indireta a Deus. A cor azul (representa a nobreza e honra da família) e amarelo (representa a energia para desbravar e construir!) É comum que no nordeste do Brasil tenha-se muitos lira / Lyra por causa do domínio Português nessa região durante o período colonial.



terça-feira, 29 de agosto de 2017

Desesperado e sem esperança!

Inúmeras vezes você tentou e falhou.
Um estigma te segue e você não se respeita como homem.
Se habituou a uma vida sendo desrespeitado.
Olham pra você e te acham um fraco sem atitudes.
No fundo você se vê mergulhado em uma situação negativa.
Você se vê sem forças para fazer algo.
Acomodou-se a lamber as próprias feridas.
O fardo vem pesando.
Você se sente esgotado!
Seu problema se arrasta nas áreas familiar, profissional e no casamento?

1° Procure um amigo confiável e desabafe. Seja totalmente sincero e se abra.
2º Todo mundo é fraco as vezes, quem nunca errou? Quem nunca foi imaturo? Quem nunca?
3º Saia da teoria. Gente que fica na auto ajuda, acaba sendo pisada! Faça algo concreto!
4º Se acalme, gente nervosa, só faz besteira e depois se arrepende.

Por que coisas extremamente ruins acontecem se, conforme cremos, existe um Deus poderoso, justo e cheio de bondade, capaz de ver todo o mal que há no universo e impedi-lo com uma só palavra?

Quando lemos a Bíblia em busca das respostas a essas perguntas, percebemos que, se fizermos uma avaliação honesta, ela muitas vezes até piora o problema. Isso porque, ao folhearmos as páginas das Escrituras, nos deparamos frequentemente com um Deus que não somente silencia ou se omite quando vê o mal (como os Salmos, por exemplo, destacam com certa regularidade), mas também trabalha (pasmem!) promovendo a dor. E pior: promovendo a dor de gente que nunca fez nada de errado!
Observe alguns exemplos: Deus se apresentou a Moisés como aquele que faz o mudo, o surdo e o cego (Êx 4.11); os primogênitos do Egito foram todos mortos pelo anjo vingador sendo certo que, muitos deles, não passavam de menininhos ainda na primeira infância (Êx 12.29); o Senhor ordenou que todos os amalequitas fossem passados ao fio da espada, inclusive meninos e crianças de peito…
Dentre todos os episódios bíblicos que mostram Deus agindo na promoção de catástrofes, talvez a história do dilúvio seja a mais chocante, dado o alcance daquela tragédia. Ainda que algumas pessoas defendam a noção de um dilúvio meramente regional, a verdade é que tanto a linguagem bíblica (Gn 6.17) quanto as evidências geológicas apontam para um cataclisma de proporções globais. Todo o mundo foi inundado no maior flagelo que a humanidade já viu. A mortandade foi imensa, impossível de ser calculada, considerando a vida tanto de homens como de animais.
É evidente, à luz do relato bíblico, que o dilúvio foi o açoite de Deus que estalou nas costas de uma humanidade rebelde e má (Gn 6.5-7). Porém, fica a pergunta: Havia bebês, crianças pequenas e pessoas mentalmente incapazes do lado de fora da arca quando aquela grande chuva caiu? Ou será que somente os corpos de marmanjos perversos ficaram boiando nas águas do dilúvio?
Sabemos a incômoda resposta. E sabemos de algo que pode parecer pior: O livro de Gênesis afirma que Deus, além de salvar somente oito pessoas adultas, também reservou um espaço enorme da arca para… bichos! Isso mesmo: cobras, sapos, ratos, cachorros e pardais tiveram lugar garantido no barco do livramento. Crianças, porém, ficaram de fora. Todas elas. A dura realidade é que nenhum garotinho se salvou. A ideia pode parecer horrível (e é mesmo), mas não havia uma criança sequer a bordo da arca de Noé! Animais, porém, lotavam um compartimento inteiro do grande barco.
Que dizer em face disso tudo? Bem, os homens dizem muitas coisas. Os ateus blasfemam, afirmando que com um Deus assim, ninguém precisa do diabo. Os teólogos liberais se livram do problema propondo que o relato do dilúvio não passa de um mito com algum apelo ético, podendo ser posto de lado no tocante à sua historicidade. Os arminianos, pelo menos alguns deles, tentam transformar esse terrível juízo de Deus num lindo gesto de amor divino - um gesto tocante em que o Senhor “recolhe” todos os bebês para si depois de afogá-los aos milhares. Pois é... É fácil sentar numa escrivaninha com uma caixa de giz de cera e pintar a Bíblia de cor-de-rosa. Isso, porém, não ajuda em nada, não explica nada e não consola em nada. É só teologia medrosa que foge da lâmina afiada do problema.
O que o crente pode dizer, então, afinal? Resposta: Nada… Ou quase nada. O crente honesto, maduro e piedoso sabe que há pontas soltas na teologia e que essas pontas são difíceis de atar. Ele, porém, não abre mão da certeza de que, não importa o que aconteça, Deus é sempre infinitamente justo e bom. Então, ao olhar para fatos como esse do dilúvio, o cristão cuidadoso fica perplexo e em silêncio, tentando talvez unir os pontos. E quando, enfim, decide dizer algo, o que diz é algo mais ou menos assim: “Eu não entendo como um Deus santo pode derramar as águas do seu castigo sobre bebês de colo. Nesse aspecto, seus juízos são elevados demais para mim. Na administração dessas coisas, seus pensamentos são inescrutáveis e não posso sequer alcançá-los (Is 45.9; 55.9; Dn 4.35; Rm 11.33-34). Estou certo, porém, de que sua justiça é perfeita e de que sua bondade é infinita, mesmo quando tudo ao redor parece apontar para o contrário".
Assim, diante desses dilemas, o crente descobre que é somente até aí que é capaz de chegar. Aliás, é somente até aí que a Bíblia o permite chegar. Tudo o mais é mera invenção. O fato é que quem anda pela fé, num dado momento é também instado a pensar e a falar pela fé.

Alguns versos para reflexão:

  • "Estamos certos de que Deus age em todas as coisas com o fim de beneficiar todos os que o amam, dos que foram chamados conforme seu plano. "Romanos 8:28
  • "Conservai permanentemente a sua alegria! Orai constantemente. Dai graças em toda e qualquer circunstância, porquanto essa é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco." 1 Tessalonicenses 5:16-18
     
  • https://familia.com.br/12276/o-amor-tem-5-estagios-mas-a-maioria-dos-casais-separa-no-terceiro
  • O LINK ACIMA, PODE SER DE ALGUMA AJUDA!

quinta-feira, 6 de abril de 2017

A reclamação não sara nem cura.

 Enquanto o sábio agradece, o pobre de espírito reclama. Mas não é porque o sábio agradece que ele ao mesmo tempo, não busca melhorar a vida. Agradecer não exclui a luta por uma vida melhor financeiramente.

Reclamar só te envenena. Deixa eu te fazer uma pergunta. Porque algumas pessoas alcançam seus objetivos e outras não?





Um palestrante certa vez perguntou a plateia, o que eles achavam que atrasava a vida deles, e as pessoas foram respondendo: O que me atrasa é a covardia, as redes sociais me atrasam... sou preguiçoso... e o palestrante depois de ouvir, disse: vocês sabem o que atrasam vocês, e porque não deixam de fazer o que lhes atrasa?
Essa é a diferença entre os vencedores e os perdedores.

Os vencedores fazem o que sabem que tem de fazer, porque as pessoas sabem o que precisam fazer, mas não fazem. Todo mundo pode vencer, mas nem todos estão dispostos a fazer o que deve ser feito. Jamais vão se destacar se não passarem a pensar da maneira correta. Passar o dia se lamentando e reclamando, buscando um ouvido para te ouvir é perca de tempo, você envenena a si mesmo com suas frustrações, envenena os outros que se deixam envenenar, e, não resolve sua situação.
Ver uma pessoa que nunca estudou, viver uma vida difícil, dá para entender. Mas temos hoje muitos profissionais que estudam, tem graduação e pós, mas vivem uma vida humilhante. 

Estudar já é desgastante para a maioria das pessoas, mas tem gente que estuda muito e não vê frutos materiais. De que adianta ser teólogo e não amar a Deus, não ser instrumento para a salvação de uma alma sequer? De que adianta se formar advogado e viver pobre?

Não falo de teologia da prosperidade. Mas de lógica! Falo para você que reclama de seu trabalho, de sua vida e de seus relacionamentos. Minha mãe sempre disse: Estude para ser alguém na vida. O fruto do estudo tem de ser algo vivencial, e por que não financeiro também? Vamos estudar e buscar o melhor para nós e para nossos cônjuges e filhos.

A maioria das pessoas vive uma vida cheia de dívidas, deixam de comprar uma coisa para comprar outra porque não pode pagar as duas. Estudam muito pra serem humilhados? Não conseguem pagar a feira pra ter o que comer!
Abra os olhos! Precisamos buscar crescer e ter o melhor que pudermos!

Pare de apresentar desculpas. Teoria dos 5 segundos. “Deus, ajuda-me a fazer o que eu já sei que preciso fazer. Ajuda-me a fazê-lo agora!”

: “Se você esperar pelas condições perfeitas, jamais fará nada” (Eclesiastes 11.4 – tradução livre).
Eclesiastes 11:4

Quem fica observando o vento não plantará, e quem fica olhando para as nuvens não colherá. Sendo assim, tudo quanto vier à mão para realizar, faze-o com o melhor das tuas forças, porquanto para o Sheol, a sepultura, para onde vais, não há atividade, trabalho, reflexão, planos, conhecimento, saber, nem nada. Ec. 9:10
Colossenses 3:23

E tudo quanto fizerdes, fazei-o de todo o coração, como para o Senhor e não para homens,
"(...) Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos, e Cristo te esclarecerá. Efésios 5:14

“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio” (Provérbios 6:6).

ele acredita que é sábio, mas é um tolo: “Mais sábio é o preguiçoso a seus próprios olhos do que sete homens que respondem bem” (26:16).

“ó preguiçoso, até quanto ficarás deitado? quando te levantarás do teu sono?” (6.9); “A alma do preguiçoso deseja e coisa ne­nhuma alcança” (13.4); “O caminho do pre­guiçoso é como a sebe de espinhos” (15. 19); “O desejo do preguiçoso o mata, por­que as suas mãos recusam-se a traba­lhar”, 21.25. O preguiçoso tem as suas desculpas: “Diz o preguiçoso: um leão está lá fora; serei morto no meio da rua”, Pv 22.13.


Jesus muitas vezes chamou seus discípulos a trabalhar. Essa ordem chega até nós.




quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

CRESCIMENTO NUMÉRICO


A mentalidade de que crescimento numérico é evidência do favor de Deus domina o meio evangélico há várias décadas. Tanto é assim, que a qualidade do ministério de um pastor ou o suposto grau de aprovação de uma igreja diante de Deus são medidos, muitas vezes, exclusivamente com base nesse critério. Por causa disso, se a gente apontar para os desvios doutrinários absurdos, o mundanismo, a falta de real devoção e os escândalos tão comuns nas megaigrejas que há por aí, logo aparece um "santarrão espiritualóide" dizendo: "Se esse pastor e essa igreja são tão ruins como você fala, por que Deus os tem abençoado tanto? Você já viu como seus cultos são lotados?".
É evidente que falta a muitas dessas pessoas o discernimento espiritual necessário para aprovar as coisas excelentes (Fp 1.9-10). Falta-lhes também o conhecimento bíblico que realça que nos últimos dias, os homens buscariam mestres "segundo as suas próprias cobiças" (2Tm 4.3). Esse versículo, diga-se de passagem, deixa evidente porque quem prega e velha e apodrecida doutrina do sucesso financeiro sempre tem seguidores aos milhares!
Falta, porém, algo mais àqueles que associam crescimento numérico à bênção de Deus. Desculpem a sinceridade, mas, a meu ver, falta-lhes também capacidade de percepção ou de raciocínio. Digo isso porque não é preciso ter um cérebro de Einstein para perceber que muitos movimentos absolutamente contrários à fé crescem numericamente num ritmo assustador. Isso é tão evidente que eu fico até com medo de dar alguns exemplos e ser acusado de gastar tempo dizendo obviedades. Mesmo assim, vou citar alguns...
Observem o crescimento do nazismo na primeira metade do século 20. Praticamente toda a Alemanhã abraçou essa "idelologia" que se expandiu além de sua "pátria mãe", encontrando apoio em diversos países. Aliás, o nazismo, que alguns pensam ingenuamente estar morto, continua ativo e crescerá ainda mais, especialmente agora que o livro de Hitler, o Mein Kampf (Minha Luta), caiu em domínio público. Acaso isso prova que o nazismo é aprovado por Deus?
Observem ainda o islamismo. Todos percebem claramente a ameaça que essa crença representa para a liberdade religiosa ou para qualquer outro tipo de liberdade. Quanta tolice é crer que somente os "radicais islâmicos", com seus atos de terrorismo, são perigosos para a sociedade ocidental! Muçulmanos em geral coisificam as mulheres, são favoráveis à pena de morte aplicada aos homossexuais, aprovam o casamento de garotinhas de dez anos com marmanjos de quarenta... Mesmo assim, essa religião cresce numericamente. Na verdade, algumas estatísticas afirmam que é a religião que mais cresce no mundo! Será que esse crescimento decorre da bênção de Deus? Ora, por favor!
Considerem finalmente o movimento LGBT. A Bíblia condena expressamente o homossexualismo e é contrária à ideia de que os homossexuais "nascem assim". Segundo as Escrituras, a responsabilidade pelos atos homossexuais são da própria pessoa que os pratica, sendo certo que essa pessoa prestará contas desses atos ao próprio Deus. Ademais, o simples senso natural repugna a prática e a "filosofia" homossexual. É, de fato, um grande agravo ao decoro e à decência tudo o que se vê, por exemplo, numa "Parada Gay". Zombarias grosseiras dirigidas contra a fé cristã, atos indecorosos praticados em público sob a luz do dia, exibições de corpos mutilados ou modificados por chocantes protuberâncias artificiais... Tudo isso é o que se vê nesses desfiles. No entanto, ainda que o número de pessoas que comparecem às paradas gays tenha caído vertiginosamente, segundo alguma pesquisas, o fato é que o movimento LGBT cresce a cada dia em número de indivíduos que o apoiam. Até crianças hoje em dia defendem o homossexualismo! Seria esse crescimento numérico uma prova do favor de Deus. Óbvio que não.
A grande realidade que se depreende das Escrituras é que o crescimento numérico em si não significa muita coisa. Na verdade, conforme visto, o mero crescimento numérico de um partido ou mesmo de uma igreja pode ter como causa fatores ruins, capazes de atrair um número imenso de homens maus. Por isso, é necessário que o crescimento de uma igreja esteja associado a outros elementos para que seja considerado saudável e também seja visto como resultado da ação graciosa de Deus. Que outros elementos são esses? A resposta a essa pergunta está em Atos 9.31: "A igreja, na verdade, tinha paz por toda a Judéia, Galiléia e Samaria, edificando-se e caminhando no temor do Senhor, e, no conforto do Espírito Santo, crescia em número".
Note que o crescimento saudável da igreja primitiva era uma bênção de Deus associada ao viver digno e santo de crentes que andavam no temor do Senhor e que eram edificados enquanto viviam assim. Ora, é evidente que a vida vivida sob o temor do Senhor se afasta de escândalos, imoralidades, palavreado sujo, desonestidades, mentiras, fraudes e hipocrisias. O texto indica, portanto, que a igreja primitiva em geral tinha um testemunho maravilhoso, sendo encorajada pelo Espírito Santo (a palavra traduzida como "conforto" pode significar também encorajamento ou assistência) que lhe dava ousadia , direção, sabedoria e disposição para o serviço. Então, como resultado disso tudo, a igreja "crescia em número".
Eis aí o crescimento numérico desejável, decorrente da aprovação de Deus. Por isso, é preciso destacar que, se uma igreja cresce enquanto seus membros não andam e nem são edificados no temor do Senhor, há, sem dúvida, algo muito errado com essa igreja. Talvez ela esteja oferecendo coisas ruins e, por isso, esteja atraindo homens ruins; talvez esteja proclamando ideias e realizando programações que se harmonizam com as expectativas perversas dos incrédulos; talvez tenha mestres que anunciam doutrinas em total sintonia com a cobiça dos iníquos; ou talvez esteja usando meras estratégias de marketing, adotando técnicas que nada têm a ver com a construção de uma igreja realmente bíblica. Lembrem-se: Onde estiverem os cadáveres do falso ensino e dos artifícios humanos, aí se ajuntarão os abutres, saltando alegremente em meio à carniça.
Tenhamos, pois, cuidado. Avaliemos as coisas com mais precisão e inteligência. Também supliquemos ao Senhor que sua igreja aumente mais e mais suas fileiras. Peçamos, porém, que esse aumento não ocorra a qualquer custo. Que o santo cordeiro da verdade e da pureza não seja sacrificado no altar do crescimento numérico. Que os salões lotados durante os cultos sejam reflexos de igrejas que andam no temor do Senhor e não de comunidades que criam atrações mundanas. Se não for assim, então que continuemos a ser, nas palavras de Jesus, um "pequenino rebanho", tentando ajustar a vida ao que ele quer, a fim de que o aumento saudável e verdadeiro aconteça no tempo devido.
Pr. Marcos Granconato
Força e fé
Soli Deo gloria

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Apóstolos - Rev Augustus Nicodemos - leiam

VEJA SE OS APÓSTOLOS QUE VOCÊ CONHECE PASSAM NESSE TESTE
REQUISITOS PARA O APOSTOLADO
1. Não ser colocado na função apostólica por homem algum (Gl 1.1,11-12).
2. Não ser nomeado apóstolo por si mesmo (Rm 1.5; 2Co 11.13; Ap 2.2).
3. Ser colocado por Deus numa posição de desprezo, miséria e sofrimento (1Co 4.9-13).
4. Ser testemunha ocular da ressurreição (1Co 9.1; 15.8).
5. Ser canal de revelação doutrinária inédita (1Co 15.3; Ef 3.4-6).
6. Ser instrumento de realização de milagres (2Co 12.12).
7. Ser missionário pioneiro (Rm 15.20; 2Co 10.13-16).



Obs.: O apóstolo verdadeiro tem que preencher TODOS esses requisitos.
by Marcos Granconato

terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Marcos Granconato - Calvinistas x Arminianos - Um debate descessesário?

DEBATE TEÓRICO E IRRELEVANTE? NÃO!
Muitas pessoas pensam que o debate entre calvinistas e arminianos é inútil e infrutífero, gerando apenas divergências entre os irmãos e divisões na igreja de Cristo. Eu entendo a preocupação desses irmãos e me uno a eles na reprovação da perda de tempo com discussões tolas e estéreis que só engendram contendas. Na verdade, sou o inimigo número um de discussões assim, especialmente quando desembocam em ofensas e linguagem agressiva. Nesse aspecto em particular, creio que uma discussão assim não combina com a magnitude e a nobreza dos temas doutrinários cristãos. Pegando emprestada parte da figura de Provérbios 11.22, penso que o debate teológico na boca do homem de língua ferina e indecorosa é como um colar de diamantes no pescoço de um porco.
Contudo, devo dizer que, no tocante à questão calvinismo x arminianismo, o debate está bem longe de ser irrelevante do ponto de vista prático. Se esse debate fosse meramente teórico, sem desdobramentos vivenciais ou sem nenhum impacto para a eclesiologia aplicada, eu já o teria abandonado há muito tempo. Teria feito isso porque sou, antes de tudo, um pastor plenamente envolvido no trabalho eclesiástico e isso há cerca de trinta anos. Não sou um teólogo de gabinete sem contato com o mundo real ou sem qualquer envolvimento com o drama do povo de Deus. Por isso, se me debruço sobre um tema teológico e o defendo, faço isso porque sei do seu impacto para a minha vida e para a vida das pessoas que o Senhor me confiou. De fato, eu não me daria ao luxo de ficar elocubrando conceitos estéreis, por simples prazer intelectual.
A esta altura, alguém já deve estar pensando: "OK, OK... Já entendi. Mas se você pensa assim, porque se envolve na defesa do calvinismo que parece ser tão teórico?". Bom, mais uma vez insisto em dizer que esse debate não é meramente teórico. Na minha opinião (e oro para que isso não fira nenhum irmão precioso), todo o quadro horrível que caracteriza a igreja dos nossos dias se deve, primordialmente, à preponderância de ideias arminianas no meio evangélico.
Mais especificamente, creio que o impacto danoso do arminianismo atual é sentido tanto na liturgia cristã como no evangelismo. Para entender isso, basta acompanhar meu reciocínio. Notem bem: crendo que, pelo livre-arbítrio ou pela graça preveniente, todo homem é capaz de tomar uma decisão de si mesmo por Cristo, a igreja passa a realizar um culto voltado para o homem, tentando "apertar os botões certos" para convencê-lo a aceitar Jesus. A partir daí, quase tudo é permitido, desde apelos com artifícios emocionais até a inserção de práticas mundanas na liturgia com o fim de atrair os descrentes, agradá-los e, enfim, "ganhá-los".
Entendo, pois, que a visão neo-arminiana está na raiz dos cultos "divertidos", das baladas gospel, dos shows de funk evangélicos, das escolas de samba eclesiásticas e de todas as práticas absurdas que vemos nas igrejas emergentes e pós-modernas. Segundo seus líderes de orientação neo-arminiana, a ordem é: "Não faça ou diga nada que espante os incrédulos, pois isso pode fazer com que eles jamais tomem a decisão de aceitar a Cristo. Cantar hinos tradicionais, pregar por mais de quinze minutos, falar sobre a perdição eterna, mencionar a realidade do pecado... Tudo isso são erros estratégicos que atrapalham o trabalho de 'ganhar almas'. Faça, portanto, tudo girar em torno das expectativas e gostos dos descrentes. Assim eles não serão afugentados e poderemos, aos poucos, convencê-los a usar seu livre-arbítrio de forma correta. Afinal de contas, a conversão deles depende tão somente da decisão deles próprios e temos que, com jeitinho, como bons vendedores da fé, induzi-los a dar o passo certo".
No fim de tudo, o que se vê é o que está por aí afora: igrejas mundanizadas, cultos profanos, comunidades cristãs formadas quase que somente por incrédulos, pregações que jamais condenam o pecado, reuniões "cristãs" centradas no homem e não em Deus e músicas que não passam de poesias rasas falando de auto-estima. Mais uma vez, na raiz disso tudo há uma crença: a crença arminiana moderna de que a fé depende do homem e que a igreja precisa ter boas estratégias de marketing pra vender o peixe da salvação. É assim que, ironicamente, aqueles que acusam falsamente os calvinistas de ter uma doutrina que prejudica o evangelismo, acabam por, eles próprios, prejudicar a tarefa missionária do povo de Deus, envolvendo-a e transformando-a numa forma barata de marketing e numa justificativa para tornar a santa igreja do Senhor numa mera casa de shows, diversão e exaltação do ego.
Esse é, a meu ver, um dos prejuízos mais dramáticos do arminianismo em sua forma atual. Há outros, mas aqui quero destacar apenas esse. E se alguém, ao considerar essas coisas, ainda acreditar que o debate calvinismo x arminianismo é irrelevante, então eu não saberei definir a palavra "relevante" de acordo com a perspectiva dessa pessoa.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Você é um espelho?

🎵 "você é um espelho, que reflete a imagem do Senhor" 🎶

Na boa, se Deus fosse ao menos parecido com o que somos e refletimos, tava tudo era lascado.
É o que eu tenho dito, o cara peca mais que o satanás, faz de tudo, e depois vem dizer que reflete a imagem do senhor, só se o senhor dele for Lúcifer!

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Deus é fantástico!

Quando afirmam que a existência de Deus deve ser provada por meios científicos, é porque há a crença que apenas o método científico é valido, mas o método científico também não pode provar a inexistência, o argumento não tem base porque o método não tem em si mesmo a capacidade da análise de tal ser.
Quando falamos do Deus cristão, a coisa fica ainda mais feia para os ateus, uma vez que a bíblia diz que Deus é onipresente, onipotente e onisciente.
Como provar que um Deus que está em todo lugar de forma invisível, que tem todo o poder e toda a sabedoria, não existe?
Numa perspectiva lógica, não há como questionar o porque de Deus não fazer isso ou aquilo, uma vez que a mente dele é infinitamente superior a nossa.
Não há como se destacar da parte divina que há em você (onipresente) para estudá-la materialmente, ou não. Se ele é onipresente, toda a criação, vê, se move, existe, apenas nele.
Deus seria do ponto de vista cristão, um ser soberano em todos os aspectos, a realidade dependeria de sua existência, e ele é muito superior a própria existência, que poderia vir a não ser nada mais que nada se tão somente ele quisesse.
Como o ateu pode provar que não existe uma auto consciência fora da realidade, que é o princípio de todas as coisas? Como o ateu pode provar que não existe uma auto consciência fora da nossa realidade se as ferramentas que ele pode usar para análise são totalmente pueris?
Do perspectiva cristã, a consciência humana é absolutamente limitada em relação a Deus.
Ainda digo mais, afirmar que Deus é onipresente não significa que ele está em todo lugar na mesma intensidade. E o que isso significa? Que nós não adoramos um ser feito de pedra, que está ali, ou um gato, que está cheio de Deus, não é isso, nós cremos nele como um ser completo existe em si mesmo e que ele está em um lugar chamado céu, que ele criou para si mesmo porque quis.
Toda e qualquer prova, repousa numa premissa que é a ideia de que se pode alcançar uma verdade.
No caso do Deus cristão, sempre será uma questão de fé. Nós cremos que Deus é ele mesmo e não outro, que ele em sua soberania escolheu se dar a conhecer através do estudo da bíblia. Fim pô!

O princípio da identidade de Parmênides diz que W = W, mesmo que eu diga que W = N, eu ainda posso afirmar que W = W.

Há alguns princípios que não podem ser negados pela lógica, pois eles negariam a própria estrutura da lógica em si.

A maioria dos ativistas ateus, querem provar que não existe uma entidade que criou o universo.
Eles então entendem que Deus e o universo são duas coisas distintas, Deus o sujeito e o universo o objeto. Ora, sem entender as propriedade internas de Deus, ao se referir a ele, você sempre vai estar equivocado. Segundo nossa crença cristã, Deus é transcendente e onipotente, não se pode separa o universo de Deus, o transcendente do imanente, não se pode separar nenhum átomo nem por um segundo da onipresença de Deus, isso segundo o conceito cristão de Deus, logo tentar negar um criador, seria negar a existência em si. Não há sentido para um cristão!

Negar a existência de Deus seria tolice, porque a existência de Deus seria óbvia. A Bíblia em nenhum momento procura defender a existência de Deus porque ela é a mais elementar de todas as verdades. A Bíblia já começa afirmando categoricamente: “No princípio Deus criou os céus e a terra” (Gênesis 1.1), entendeu?

O apóstolo Paulo afirma:

Atos 17:28

28 porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos, [...]

Não se pode remover Deus da sua criação na doutrina cristã.

Não estou afirmando o panteísmo! - Dizendo que a realidade é Deus, preste atenção!

O que estou dizendo é que a fé cristã dizque o universo existe em Deus e Deus está em todo ele. E o homem só o nega porque é um ser pecaminoso. Em Atos 17:30 - Paulo conclui: Arrependa-se dos seus pecados! Ai está a única forma de conhecer a Deus na perspectiva cristã. Sem santidade é impossível conhecer a Deus!
Você só pode conhecê-lo por participação da natureza dele.

Não há campos de fenômenos sobre Deus que a ciência possa estudar deixando Deus ausente de sua criação, então a existência dele é evidente no campo da fé.


Eu vou resumir de forma que no fim pode parecer pecaminosa até:
A realidade é concreta, ela vem de Deus e ele está em toda ela. Essa é a verdade mais elementar pro cristianismo. Deus só pode então existir como realidade concreta. O conceito de realidade concreta não existe para a ciência, pois a busca de provas só é legítima quando algo não é evidente. Não se pode investigar a realidade concreta em si, só se pode investigar algo partindo da ideia fundamental que há a realidade concreta. Se do ponto de vista cristão a realidade em si é a prova que há um Deus e ele está em toda a realidade, a investigação científica nesse sentido vale tanto quanto bosta.

A realidade no cristianismo não tem existência em si mesmo, mas subsiste em Deus. Não há diploma de biologia que lhe qualifique para falar contra um Deus absolutamente necessário.


Há muitos campos em que a ciência é dependente, por exemplo: A racionalidade humana. A ciência nasce da racionalidade humana, ela não pode existir sem que exista a racionalidade. Ela não pode ser usada como meio para negar a racionalidade. É auto contraditório pela própria natureza do conhecimento! Nenhum ser humano pode conhecer toda a realidade, o que conhecemos são recortes da realidade, a qual nos influenciaram a sermos o que somos hoje.

A vontade de Deus segundo a bíblia não é lhe provar que ele existe, porque essa não é uma missão dada a igreja, nossa missão é anunciar que há um Deus e ele ordenou que os homens devem se arrepender de seus modos de vida pecaminoso longe dele. A vontade permissiva de Deus, lhe permite viver longe dele, mas saiba que ele afirmou que irá voltar e levará sua igreja com ele, espero que você reflita sobre sua vida!

Um abraço de um presbiteriano!
Deus te abençoe e te dê paz!
Amém!

terça-feira, 19 de maio de 2015

Não basta você ter de pagar pela incompetência administrativa dos governantes. Não basta você ter de pagar pelo enriquecimento ilícito proveniente de uma gestão corrupta dos mesmos. Não basta nem mesmo você ser obrigado a pagar pelas propagandas de um governo que você é obrigado a sustentar e tolerar.
Você tem de pagar para o governo fazer propaganda dele pra você explicando que o fato de você pagar pela corrupção e pela incompetência administrativa dele é bom, correto e vai levar o país pra frente.